Home » Notícias » Portal » Portal - Notícias » TJRN mantém decisão para retirada de imóveis em Ponta Negra

TJRN mantém decisão para retirada de imóveis em Ponta Negra

Compartilhar
Imprimir

Imóveis estão em área non aedificandi. Para promotora de Justiça Gilka da Mata resultado, à unanimidade da 3ª Câmara Cível, mostra apoio do Tribunal de Justiça à causa ambiental


A 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, acompanhando o voto do Relator, desembargador Vivaldo Pinheiro, e à unanimidade, manteve decisão que determina a demolição dos imóveis construídos na área classificada como “non aedificandi”, às margens da avenida Engenheiro Roberto Freire, em Ponta Negra.

O desembargador Vivaldo Pinheiro negou provimento a Apelação Cível nº 2012.001057-2,  mantendo decisão do Juízo da 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Natal que determinou a demolição das construções ilegais edificadas na área “non aedificandi”, em Ponta Negra.

Para o desembargador, o direito de construir encontra limite na própria organização social estabelecida em planos urbanísticos e de ocupação do solo, todos regulamentados pelo Poder Público. Em seu voto, o magistrado destacou também a obrigatoriedade do cidadão contribuir para a proteção, preservação e recuperação do meio ambiente.

A promotora de Justiça Gilka da Mata, que fez sustentação oral durante o julgamento da 3ª Câmara Cível, disse que o resultado representa apoio do TJRN à causa ambiental. “Estamos extremamente felizes. O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte mostra seu apoio à causa ambiental. Precisamos muito desse reconhecimento, pois vivemos em um município costeiro, onde as paisagens precisam ser valorizadas”, destacou.

Participou também da sessão de julgamento da 3ª Câmara Cível, a Promotora de Justiça Érica Canuto, em exercício na 7ª Procuradoria de Justiça.

A 45ª promotora de Justiça informou que cabe ainda recurso da decisão do TJRN, o que não impede que a decisão seja cumprida com a remoção das construções, que foram edificadas no local sem autorização, licença ou alvará, como locadoras, quiosques, bares e restaurantes, entre outros.

A ação ajuizada pela representante ministerial teve o objetivo de preservar o patrimônio paisagístico da cidade, assegurando a partir da avenida Engenheiro Roberto Freire, a vista que se tem da praia de Ponta Negra.

A sentença apelada foi proferida em 2010 pelo juiz Virgílio Fernandes de Macêdo Júnior, atualmente Desembargador do TJRN, na Ação Civil Pública nº 0011.076-16.2005.8.20.0001. O Decreto nº 2.236/79 incluiu os lotes daquela faixa considerada como “non aedificandi”.

Foto: Tasso Pinheiro/TJRN.

Compartilhar
Imprimir

Notícias Recentes

Pular para o conteúdo