Home » Notícias » Sem categoria » Com tese do MPRN, STF reconhece inconstitucionalidade de lei

Com tese do MPRN, STF reconhece inconstitucionalidade de lei

Share on whatsapp
Compartilhar
Share on print
Imprimir
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Após representação feita pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), a Procuradoria-Geral da República (PGR) obteve decisão favorável no Supremo Tribunal Federal (STF) em ação direta de inconstitucionalidade (ADIN). O MPRN indicou à PGR que a lei que concedeu anistia a policiais e bombeiros militares do Distrito Federal, do Rio Grande do Norte e de mais 12 Estados desrespeitava a Constituição Federal. 

Na ADIN, a PGR defendeu a tese do MPRN de que a questão central diz respeito à ausência de competência da União para conceder anistia relativamente a infrações administrativas em tese perpetradas por servidores estaduais.

O dispositivo legal trata-se da lei nº 12.505, de 11 de outubro de 2011, publicada no Diário Oficial da União do dia 13/10/2011. Os outros Estados alcançados são Alagoas, Bahia, Ceará, Mato Grosso, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins.

Votos dos ministros do STF

Em seu voto, a ministra Carmem Lúcia, relatora do processo, conheceu parcialmente a ADIN quanto à expressão “e as infrações disciplinares conexas”, constante no art. 2° da Lei n. 12.505/2011, alterado pela Lei n. 13.293/2016 e julgou procedente a parte conhecida para declarar, com eficácia a partir da data da publicação da ata de julgamento, a inconstitucionalidade das Leis n. 12.505/2011 e n. 13.293/2016 quanto à expressão “e as infrações disciplinares conexas”.

Os ministros Gilmar Mendes, Rosa Weber e Alexandre de Morais acompanharam a relatora no que tange ao conhecimento parcial da ação e à procedência do pedido. E divergiram quanto à modulação de efeitos proposta, mantendo os efeitos retroativos da declaração de inconstitucionalidade do art. 2º da Lei 12.505/2011, com a redação dada pela Lei 13.293/2016.

Leia a representação do MPRN clicando aqui

Share on whatsapp
Compartilhar
Share on print
Imprimir

Notícias Recentes

Ir para o topo
Skip to content