Home » Notícias » Violência Doméstica » Com apoio do MPRN, Currais Novos ganhou sala de acolhimento para mulheres vítimas de violência

Com apoio do MPRN, Currais Novos ganhou sala de acolhimento para mulheres vítimas de violência

Share on whatsapp
Compartilhar
Share on print
Imprimir
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

As mulheres vítimas de violência doméstica e familiar de Currais Novos têm mais um espaço para atendimento. Nesta terça-feira (24), foi inaugurada a Sala de Acolhimento “Fernanda Irassoara Borges de Araújo”. A estruturação do local vem das verbas dos acordos judiciais firmados pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e das penas pecuniárias. 

O trabalho contou com o engajamento do Tribunal de Justiça do Estado (TJRN), da Defensoria Pública do RN (DPE), das polícias Civil e Militar, da Prefeitura Municipal, da Associação de Praças e Bombeiros Militares do Seridó (APBMS) e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). 

O serviço que será disponibilizado na sala integra, na verdade, o programa Maria da Luz. Trata-se de uma rede proteção a essa mulher que sofreu violência de parceiros, ex-parceiros ou algum ente familiar criada em Currais Novos. Essa rede também é reflexo dos esforços empreendidos em conjunto pelas instituições envolvidas, já mencionadas. 

“É uma sequência do projeto Patrulha Maria da Penha, pelo qual a PM destacou um grupo de profissionais para atender mais qualificadamente às mulheres que sofrem violência doméstica. E a sala permite que seja oferecido um atendimento mais reservado a essa vítima, seja para fazer denúncia ou um pedido de urgência”, contou o 2º promotor de Justiça de Currais Novos, Yves Porfirio.

O representante ministerial também destacou outro trabalho que vem sendo desenvolvido para o enfrentamento à violência doméstica na cidade como Grupo Reflexivo de Homens. “Neste caso, o foco é nos homens que praticaram esse crime e têm prisão preventiva decretada ou condenação penal. Eles podem optar por, em vez de usar a tornozeleira eletrônica, participar o grupo”, explicou. O grupo funciona todas sextas-feiras, com palestras voltadas para desconstrução do padrão de violência e machismo. A presença é obrigatória.

Share on whatsapp
Compartilhar
Share on print
Imprimir

Notícias Recentes

Ir para o topo
Skip to content