Home » Notícias » Meio Ambiente » A pedido do MPRN, Justiça determina que Prefeitura de Mossoró elabore plano de prevenção de incêndio para museu

A pedido do MPRN, Justiça determina que Prefeitura de Mossoró elabore plano de prevenção de incêndio para museu

Share on whatsapp
Compartilhar
Share on print
Imprimir
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) conseguiu sentença judicial obrigando a Prefeitura de Mossoró a apresentar um Plano de Prevenção e Combate a Incêndios (PCCI) do museu Lauro Escóssia. A determinação foi dada pela 1ª Vara da Fazenda Pública de Mossoró, onde o MPRN moveu uma ação civil pública (ACP). 

O Município agora tem 90 dias para elaborar e apresentar o plano para a aprovação do Corpo de Bombeiros e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Em seguida, terá que que  implementá-lo, comprovando a adoção de todas as medidas necessárias. 

Outra obrigação, constante na sentença, é que a gestão municipal inclua, no orçamento do exercício financeiro seguinte à aprovação do PCCI, a verba necessária para adequar o Museu Municipal Histórico Lauro da Escóssia às normas de segurança previstas. O prazo, a partir da dotação orçamentária para a conclusão das execução do plano é de seis meses. 

Em 2011 o MPRN tomou conhecimento de possível situação de irregularidades no museu, consequências da omissão de manutenção e reformas por parte da Prefeitura Municipal de

Mossoró. O fato ensejou a abertura de um inquérito civil ministerial. 

Porém, apesar dos esforços do MPRN em provocar a municipalidade à ação (uma das tentativas foi a celebração de um termo de ajustamento de conduta), o descaso perdura desde as obras de reforma, situação comprovada pelas vistorias realizadas ainda em 2013 e 2015. 

A situação se alastrou no tempo, sendo que, em 2018, o museu encontrava-se com as mesmas irregularidades, o que novamente foi atestado pelo Corpo de Bombeiros e pela

equipe técnica desta promotoria em novas vistorias. 

Não restou outra medida ao Ministério Público se não o ingresso com a ACP. 

Leia a sentença na íntegra, clicando aqui.

Share on whatsapp
Compartilhar
Share on print
Imprimir

Notícias Recentes

Ir para o topo
Skip to content