Home » Notícias » Portal » Portal - Notícias » MPRN recomenda que Sesap mantenha lista de regulação de pacientes

MPRN recomenda que Sesap mantenha lista de regulação de pacientes

Compartilhar
Imprimir
Secretaria Estadual de Saúde deve inserir todos os pacientes que aguardam cirurgias eletivas em listas antes de prosseguir com o projeto Fôlego Novo
 

 
O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) recomendou que a Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) somente prossiga com a execução do projeto Fôlego Novo após inserir todos os pacientes que aguardam cirurgias eletivas nas listas da Central Metropolitana de Leitos/Complexo Estadual de Regulação. O objetivo da recomendação é harmonizar essa ação assistencial com as diretrizes da Política Nacional de Regulação do SUS, que visa assegurar uma padronização nos critérios de solicitação, encaminhamentos, autorização e de priorização quando houver concorrência de usuários a uma mesma vaga.
 
A Política Nacional de Regulação garante a organização das redes e fluxos assistenciais, promovendo acesso equânime, integral e qualificado aos serviços de saúde. No Rio Grande do Norte, esse controle é feito pelo Complexo Estadual de Regulação.
 
Na recomendação, o MPRN cita ter tomado conhecimento do início de projeto de cirurgias itinerantes denominado Fôlego Novo. A Coordenadoria de Hospitais e Unidades de Referência (COHUR), vinculada à Sesap, afirmou ao MPRN que os pacientes atendidos pelo projeto não se encontram regulados pela Central de Regulação e reconheceu ainda que em nenhum momento da formatação do projeto foi debatida a inserção dos pacientes para regulação pela Central de Leitos da Sesap. A COHUR confirmou que já aconteceram três etapas para cirurgias de hérnia, vesícula e catarata, todos no Hospital Regional de Macaíba.
 
O MPRN, ainda no documento, reforça que existem listas de pacientes aguardando cirurgias eletivas de hérnia e vesícula, além de outras demandas cirúrgicas de média complexidade assistencial.
 
O MPRN requisita informações quanto à adoção das medidas administrativas para o pleno atendimento do que foi recomendado no prazo de 10 dias.
 
Clique aqui e veja a íntegra da recomendação.
Compartilhar
Imprimir

Notícias Recentes

Pular para o conteúdo