Home » Notícias » Portal » Portal - Notícias » Câmara Municipal de Timbaúba dos Batistas deve suspender licitação em caráter de urgência

Câmara Municipal de Timbaúba dos Batistas deve suspender licitação em caráter de urgência

Compartilhar
Imprimir

Ouvidoria do MPRN recebeu informação de que certame para contratação de serviços de contabilidade apresenta possível direcionamento

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), por meio da 3ª Promotoria de Justiça da comarca de Caicó, recomendou a suspensão imediata de uma tomada de preços na Câmara Municipal de Timbaúba dos Batistas, marcada para o dia 1º de setembro deste ano, para contratação de serviços técnicos de contabilidade pública e apoio administrativo, até que seja republicado o edital com a supressão do item que prevê a exigência, aos concorrentes, de uma certidão que não está prevista no rol de documentos exigíveis na Lei das Licitações. A recomendação orienta que seja declarada a nulidade do item do certame que prevê essa exigência.

A Ouvidoria do MPRN recebeu a informação de um possível direcionamento do objeto do certame, a partir da exigência de apresentação, por parte dos concorrentes, do “Certificado de Capacitação sobre a convergência às normas de contabilidade aplicada ao setor público do contador responsável técnico pela empresa”. Para a Promotoria, tal obrigatoriedade pode restringir o caráter competitivo do certame e na nulidade de todo o procedimento licitatório.

A recomendação destaca que, para o exercício das atribuições próprias da profissão, o contador não está obrigado legalmente a apresentar o certificado solicitado.

A Lei das Licitações define que “a licitação se destina a garantir a observância do princípio constitucional da isonomia, a selecionar a proposta mais vantajosa para a Administração e ser processada e julgada em estrita conformidade com os princípios basilares da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da vinculação ao instrumento convocatório e do julgamento objetivo”.

Dessa forma, o MPRN fixa o prazo de dois dias para que a presidente da Câmara Municipal,  Karibele Batista Teixeira, informe sobre o acatamento ou não a recomendação.

Confira aqui a recomendação.

Compartilhar
Imprimir

Notícias Recentes

Pular para o conteúdo