Home » Notícias » Portal » Portal - Notícias » Unidade materno infantil de São Paulo do Potengi tem vários problemas

Unidade materno infantil de São Paulo do Potengi tem vários problemas

Compartilhar
Imprimir

Relatório do CRM aponta irregularidades que vão desde a falta de registro à falta de médicos e equipamentos

O Promotor de Justiça José Fontes de Andrade instaurou um inquérito civil para apurar irregularidades na Unidade Materno Infantil Integrada do Hospital Regional de São Paulo do Potengi.

O motivo da investigação são os apontamentos feitos no relatório de visita técnica realizada pelo Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Norte. De acordo com o relatório o hospital   não possui inscrição da maternidade junto ao CRM; possui apenas um médico no plantão, o qual respondia simultaneamente pela clínica médica e pela obstetrícia; foi verificada a ausência de pediatras no plantão para assistência ao recém-nascido e também às crianças internadas e no atendimento de urgência; dificuldade de transferência dos pacientes quando da impossibilidade de atendimento na Unidade; falta de material para realização de exames essenciais em serviços de urgência; realização de cirurgias eletivas sem acompanhamento dos pacientes pelos cirurgiões responsáveis pelo ato operatório, e sim por plantonistas; ausência de equipamentos indispensáveis na sala de reanimação/estabilização, tais como monitor cardíaco e desfibrilador; e aparelho de raios X quebrado.

Entre as primeiras providências tomadas pelo Promotor de Justiça estão a solicitação de informações à Secretaria Estadual de Saúde, no prazo 15 dias, sobre as irregularidades apontadas Unidade Materno Infantil Integrada do município de São Paulo do Potengi; e esclarecimentos sobre quais providências foram ou serão tomadas para sanar os problemas. Além disso, ele pede que a Subcoordenadoria Estadual de Vigilância Sanitária (SUVISA) realize, em até 20 dias, inspeção na Unidade Materno Infantil Integrada para verificar sua adequação às disposições da ANVISA. O objetivo é buscar a aplicação de todas as medidas cabíveis no exercício do regular poder de polícia sanitário, encaminhando ao Ministério Público relatório pormenorizado, descrevendo as irregularidades constatadas, medidas sanitárias adotadas e sugerindo medidas saneadoras passíveis de adoção.

Compartilhar
Imprimir

Notícias Recentes

Pular para o conteúdo