Home » Notícias » Portal » Portal - Notícias » Ação pretende acabar com lixão no Bom Pastor

Ação pretende acabar com lixão no Bom Pastor

Compartilhar
Imprimir

Ação Civil Pública ajuizada pela Promotoria de Justiça do Meio Ambiente quer acabar com lixão em terreno situado no bairro do Bom Pastor em Natal.

A Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente da capital entrou com uma Ação Civil Pública contra a Prefeitura de Natal, COSERN e CHESF devido à formação de um lixão a céu aberto no terreno em frente à subestação da CHESF no Bairro do Bom Pastor, zona oeste. As primeiras denúncias de acúmulo de lixo foram feitas em 2003. Em sete anos, várias reuniões e audiências de conciliação foram feitas pelo Ministério Público com os envolvidos, mas o problema não foi solucionado. Hoje o lixão é considerado um dos maiores da cidade, ponho em risco inclusive a vida dos moradores da vizinhança.

Carroceiros e até caminhoneiros despejam lixo no terreno que pertence à Prefeitura de Natal e é utilizado em servidão pela CHESF e pela COSERN. No processo de separação de lixo pelos catadores, é verificada a presença constante de crianças e adolescentes trabalhando. As queimadas frequentes, além de prejudicar a saúde dos moradores, são um risco permanente porque são realizadas embaixo das linhas de transmissão da CHEF. A sujeira também atrai urubus e ameaça o tráfego aéreo.

 

Nos últimos sete anos, desde a primeira denúncia, foram feitas reuniões, audiências de conciliação e até foi assinado um termo de ajustamento de conduta (TAC) com a SEMURB, CHESF e COSERN para orientar a disposição e a coleta do lixo na avenida Poeta Camões, instalar containeres de coleta seletiva no local, construir um muro e uma cerca com estacas de concreto nos limites do terreno utilizado pela CHESF, bem como fiscalizar o local para impedir a entrada de pessoas não autorizadas. O TAC foi parcialmente atendido, mas o problema continuou.

A partir de novas denúncias e de informações colhidas junto à própria prefeitura de Natal, verificou-se que o problema exigiria medidas mais abrangentes. Por falta de fiscalização, parte da cerca e do portão existentes no terreno foram destruídos e o local continua sendo utilizado por carroceiros para a destinação e triagem de resíduos sólidos.

Na ação civil pública, o Ministério Público a concessão de medida liminar para que a Prefeitura de Natal, CHESF e COSERN interditem imediatamente o terreno ocupado pelas linhas de transmissão da CHESF e COSERN, identificado anteriormente; promovam a imediata limpeza do local; impeçam a entrada de pessoas e veículos sem autorização, evitando, assim, o despejo de lixo no local; murem ou cerquem o terreno e providenciem uma fiscalização permanente na área, se necessário até com o apoio da Polícia Militar.

 

Compartilhar
Imprimir

Notícias Recentes

Pular para o conteúdo