Imprimir 

Alexandre Furtado Paes foi condenado a 13 anos de prisão pelo assassinato de Fabiana Caggiano, em Natal. MPRN pena que pena seja aumentada

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) interpôs um recurso de apelação para que a pena aplicada ao empresário paulista Alexandre Furtado Paes pelo assassinato da mulher dele, a fisiculturista Fabiana Caggiano Paes, seja revista e aumentada. Em julgamento na quarta-feira (7) no 2º Tribunal do Júri Popular de Natal, Alexandre Furtado foi condenado a 13 anos de prisão em regime fechado.
 
A pena-base aplicada a Alexandre Furtado foi de 12 anos de prisão. Essa pena foi acrescida de um ano pelo fato de a vítima ser cônjuge dele. No recurso de apelação, o promotor de Justiça Augusto Flávio Azevedo disse não entender como adequada a pena-base porque, embora Alexandre Furtado não tenha antecedentes negativos, a “sua culpabilidade é total, própria e absoluta”. 
 
O promotor frisa no recurso que o empresário paulista não sofreu agressão física, tem “personalidade fria, calculada e cruel” e que os motivos apresentados por ele são desproporcionais para um assassinato. “Diante da gravidade do crime cometido, a pena não representa uma expressão de justiça”, falou Augusto Flávio.
 
O crime aconteceu em dezembro de 2012. Alexandre Furtado, Fabiana Caggiano e a família dela passavam férias no Rio Grande do Norte. Fabiana foi estrangulada por Alexandre dentro de um hotel em Natal.
 
O recurso de apelação foi interposto nesta sexta-feira (9). No documento, o MPRN pede que a pena aplicada seja ampliada a “patamar superior ao atribuído”.